O Internacional não vai aproveitar Cesinha, de 19 anos. No entanto, a saída do jogador não será tão simples. Com contrato no fim, o camisa 10 do título da Copa São Paulo, no início de 2020, está na mira do Botafogo. Para abrir mão de seu contrato, no entanto., o Colorado quer uma contrapartida. O interesse do clube carioca em Cesinha tem prazo. O alvinegro gostaria de contar com ele imediatamente, para se unir ao grupo e disputar posição na equipe. Mas esbarra no vínculo que o atleta possui com os gaúchos.

Cesinha atua no Internacional emprestado pelo Três Passos-RS até 31 de dezembro. O jogador vinha passando pelo processo natural de transição entre a base e o principal. Realizava treinos no time de cima e no sub-20, era observado por Eduardo Coudet, junto a outros garotos egressos das divisões inferiores. Porém, como não teria espaço no meio-campo vermelho, foi determinado que participaria das competições do sub-20 para manter ritmo de jogo. Os treinos no grupo principal poderiam seguir ocorrendo e um aproveitamento eventual no futuro não estava descartado. Enquanto isso, o clube avaliaria o investimento de R$ 1 milhão para garantir sua permanência ao fim do período.

Mas o meio-campista se negou a atuar novamente na base, irritando os dirigentes. O ato — considerado indisciplina — pesou na opção por sua ausência definitiva. Na última quarta-feira (14), o vice-presidente Alexandre Chaves Barcellos confirmou que o jogador encerrará seu contrato e não ficará no clube. Segundo ele, por “avaliação interna”.

A atitude do jogador desagradou o Inter, que não está inclinado a facilitar sua ida para outra equipe. Para abrir mão do contrato, ainda que ele não atue no principal e se negue a jogar na base, o Colorado quer uma contrapartida, seja financeira ou técnica. Caso contrário, aguarda o fim do vínculo em dezembro, e ele perderia a chance de atuar no Botafogo.

A diretoria alvinegra, por sua vez, tem contatos alinhados com o TAC e o estafe do jovem. No mercado em busca de reforços, o Glorioso vê em Cesinha — mesmo que em uma utilização entre a base e o profissional — uma aposta dentro do orçamento e que pode render bons frutos, assim como aconteceu com Luis Henrique, recentemente vendido ao Olympique de Marselha, da França, que também passou pela base do Inter. O atacante desembarcou em General Severiano também após uma parceria com o Três Passos.

O setor de meio-campo, inclusive, é visto como um dos carentes no elenco, o que poderia fazer com que Cesinha tivesse oportunidades também na equipe principal.

Com a decisão da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em aumentar o número de inscritos no Campeonato Brasileiro, em reunião realizada ontem (16) com os clubes, o Botafogo, que até então só teria mais uma troca na lista, volta a olhar opções com mais tranquilidade. No início deste ano, Cesinha foi capitão do time e um dos principais destaques do título do Inter na Copa São Paulo. Ainda que tenha ocupado posto relevante na equipe, a avaliação do Inter é de que ele ainda não está pronto para jogos de time principal.

Fonte: UOL