fbpx

Botafogo x Santos

Um dos jogadores mais perseguidos pela torcida do Botafogo em 2018, Leo Valencia, diante do Santos, pelo Campeonato Brasileiro, foi substituído durante o empate em 0 a 0, mas deixou o gramado aplaudido – algo raro na temporada.

O camisa 10 se esforçou, finalizou, chegou a perder uma chance clara, e alcançou um feito que mostra que a sua contribuição, embora com muitos equívocos nas decisões ofensivas, é importante ao Botafogo: tornou-se o líder em assistências para finalização do Brasileirão, com 34 – um feito trazido com mais detalhes pelo blog “Números da Bola”

E o chileno, que ora atua pela ponta esquerda, ora por dentro, como se deu contra o Peixe, foi assunto na coletiva após o último jogo, concedida por Bruno Lazaroni, interino e auxiliar da comissão técnica permanente do Glorioso.

– Leo Valencia é incansável, nos treinos é absurdo. Ele sempre pede mais, vem melhorando no Botafogo. Às vezes oscila e é natural, as pessoas não têm paciência, mas ele ainda tem mais a evoluir. Tudo tem sem tempo. No ano passado, não jogou em muitas oportunidades e acabou oscilando. As pessoas precisam perder um pouco essa impaciência, até com os garotos da base – comentou Lazaroni.

Nesta temporada, Valencia é um dos mais constantes nas escalações. Entra treinador, sai treinador, e Zé Ricardo será o quarto em 2018, cabe destacar, o meia-atacante está – quase – sempre entre os 11. Já são 35 jogos, dos 38 do clube no ano, com três gols marcados. A aguardar se seguirá evoluindo, como prevê Bruno Lazaroni, agora sob o comando de Zé.

https://www.instagram.com/p/BmE8y-uhmBQ/?utm_source=ig_embed&utm_campaign=embed_loading_state_control

E o chileno, que ora atua pela ponta esquerda, ora por dentro, como se deu contra o Peixe, foi assunto na coletiva após o último jogo, concedida por Bruno Lazaroni, interino e auxiliar da comissão técnica permanente do Glorioso. 

– Leo Valencia é incansável, nos treinos é absurdo. Ele sempre pede mais, vem melhorando no Botafogo. Às vezes oscila e é natural, as pessoas não têm paciência, mas ele ainda tem mais a evoluir. Tudo tem sem tempo. No ano passado, não jogou em muitas oportunidades e acabou oscilando. As pessoas precisam perder um pouco essa impaciência, até com os garotos da base – comentou Lazaroni. 

Nesta temporada, Valencia é um dos mais constantes nas escalações. Entra treinador, sai treinador, e Zé Ricardo será o quarto em 2018, cabe destacar, o meia-atacante está – quase – sempre entre os 11. Já são 35 jogos, dos 38 do clube no ano, com três gols marcados. A aguardar se seguirá evoluindo, como prevê Bruno Lazaroni, agora sob o comando de Zé. 

Conteúdo de Lancenet

 

Categorias: DestaquesNotícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *