fbpx

Após uma temporada irregular, Léo Valência deu mostras de que poderia finalmente engrenar no Botafogo em 2018. O chileno recuperou a titularidade, marcar seu primeiro – e único – gol com a camisa preta e branca e empolgou parte dos torcedores. Só que foi só. Apesar de algumas boas atuações em determinados momentos, o armador jamais conseguiu assumir o protagonismo que dele se espera.

Após uma temporada irregular, Léo Valência deu mostras de que poderia finalmente engrenar no Botafogo em 2018. O chileno recuperou a titularidade, marcar seu primeiro – e único – gol com a camisa preta e branca e empolgou parte parte dos torcedores. Só que foi só. Apesar de algumas boas atuações em determinados momentos, o armador jamais conseguiu assumir o protagonismo que dele se espera.

Com custo de R$ 300 mil mensais, Léo Valência representa um baita investimento para os combalidos cofres de General Severiano. É dele, portanto, que se espera que saiam as melhores jogadas e lances decisivos. Pura ilusão até o momento. O chileno não faz mais que feijão com arroz, o simples.

Por conta disso, acabou substituído em 11 dos 16  jogos em que foi titular. No último, na final contra o Vasco, no Nilton Santos, no domingo, não gostou de ser o escolhido para dar lugar a Rodrigo Pimpão. Esbravejou e gesticulou bastante com o técnico Alberto Valentim ao dirigir-se ao banco de reservas.

A atitude não caiu nada bem em General Severiano. Insatisfeita com o desempenho do atleta, a diretoria não colocou panos quentes na atitude do atleta e cobrou um pedido de desculpas. O chileno, então, tratou de usar suas redes sociais para explicar o ocorrido e se retratar.

“Boa noite, quero aproveitar esse espaço para esclarecer o que aconteceu no dia de hoje. Participava de um jogo muito importante, um jogo decisivo e que esperamos desde que iniciou o torneio. Com muito trabalho, de todo o nosso coletivo, conseguimos chegar. Era um jogo pegado e nervoso, eu não queria sair do jogo, estava dando o melhor de mim e acho que em um momento poderia fazer algo a mais pelo time. Não esperava e não queria ser substituído, mas por opção técnica fui escolhido a sair”, disse Valência no Instagram.

“Sei que num momento de calor do jogo, de cabeça quente acabei não respondendo com a cordialidade que deveria. Não me orgulho disso, muito pelo contrário, não pretendo repetir, mas foi um segundo muito rápido e acabei agindo dessa forma. Quero deixar bem claro que não tenho problema algum com ninguém e não sei de ninguém que tenha problema comigo. Pelo contrário, faço parte de um grupo muito unido e que me orgulho muito. Tudo se resolve na conversa. Agora seguimos trabalhando e cada vez mais fortes porque no próximo domingo temos uma decisão e estarei pronto para ajudar. Escolhi o Botafogo e quero ser campeão pelo clube”, completou.

A situação está parcialmente resolvida, mas a sequência de Léo Valência no time titular ou até mesmo no clube está em xeque. O chileno precisa o quanto antes mostrar o bom futebol que o levou à seleção chilena e despertou despertou interesse do Botafogo. A batata está assando e fogo está alto.

Bernardo Gentile Do UOL, no Rio de Janeiro.

Categorias: Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *