fbpx

A boa notícia para o torcedor do Botafogo, neste domingo, foi que o time melhorou no segundo tempo. A má é que a equipe, apesar das muitas chances criadas na etapa final, não passou do empate em 1 a 1 com o Volta Redonda, pela Taça Rio e segue na terceira colocação do grupo C.

Ao alvinegro, resta vencer o último jogo, contra o Vasco, domingo, e torcer contra a Portuguesa para chegar à semifinal.

— Tentamos de todas as formas, mas a equipe está de parabéns. Agora é descansar e ir forte contra o Vasco — disse o aniversariante Moisés, que completou 23 anos.

Nos primeiros 45 minutos, o que se viu foi um jogo aberto, mas com vários erros de passe. Se sobrava vontade no time de Alberto Valentim, faltavam organização e uma marcação eficiente. Logo aos 5, Marcelo arriscou de longe, Gatito espalmou, e a bola explodiu na trave.

Uma das opções alvinegras de chegar ao gol eram os cruzamentos para Kieza. Aos 11, Moisés colocou na área, e o atacante cabeceou por cima. Cinco minutos depois, Igor Rabello lançou Ezequiel quase na pequena área. Mas ele não dominou a bola, que saiu pela linha de fundo.

Mas o elenco de Valentim oferecia espaços. E, aos 22, Mauro Gabriel, sem ser incomodado, arrancou do meio de campo e bateu de fora da área, no canto esquerdo de Gatito, para abrir o placar.

Rabello, aos 28, fez gol de cabeça, mas o árbitro acertou ao marcar impedimento e anulá-lo. Embora não viesse criando boas chances, a maior virtude do alvinegro foi acreditar que o empate era possível. E, aos 37, Leo Valencia cobrou falta com perfeição para Rabello estufar as redes.

No intervalo, Valentim trocou um discreto (apesar da correria) Pimpão por Marcos Vinícius.

MOISÉS QUASE MARCA

A mudança logo surtiu efeito, e o Botafogo mudou da água para o vinho na etapa final. Aos seis, o substituto de Pimpão iniciou uma das melhores jogadas na partida: lançou Moisés, que cruzou para Kieza cabecear com muito perigo.

O lateral-esquerdo alvinegro teve outro bom momento aos 12, ao invadir a área e chutar rente à trave esquerda.

Leo Valencia foi um dos que subiram de produção no segundo tempo. Aos 30, ele só não marcou de fora da área porque Douglas Borges espalmou. Dois minutos depois, o Voltaço assustou com Luiz Paulo arriscando de longe.

A bela atuação de Moisés seria premiada com um gol de cabeça aos 34, mas o goleiro do Voltaço apareceu bem de novo. Três minutos depois, outra bela intervenção de Douglas. Desta vez, em cabeçada de Brenner.

Nos minutos finais, a pressão alvinegra não foi o suficiente para superar a retranca dos donos da casa e a tarde inspirada do camisa 31 do Volta Redonda.

O Globo

Categorias: Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *